sobre livros e a vida

07/03/2019

Você pode se culpar pelos erros alheios?, sobre Um Senhor Estagiário

Meia-noite e pouquinho e eu acabei de assistir um filme que precisava compartilhar com vocês. No meio da correria que é minha vida, tendo a querer compartilhar por aqui ideias que realmente tocam meu coração, livros, filmes ou dicas que gritam para serem escritas e é por conta disso que eu preciso compartilhar o filme que assisti hoje.

Depois de algumas dicas nos stories, resolvi assinar o sistema de filmes e séries da Amazon que se chama Prime Video (tu pode clicar aqui para assinar!), Um senhor estagiário foi o primeiro filme que me chamou atenção no stream, mas decidi começar por outra história. No entanto, o banner do filme ficou rondando na minha mente e eu decidi assisti-lo logo. Ainda bem que o fiz.

Em Um senhor estagiário a gente vai conhecer a história do Ben, ele tem 70 anos, está viúvo há alguns anos e aposentando também. A fase de curtir essa fase solta já passou para ele e ficar em casa, sem absolutamente nada para fazer, não é mais tão legal. Quando vê a possibilidade de trabalhar em uma empresa com um estagiário sênior, não pensa duas vezes antes de se candidatar para a vaga. É contratado para auxiliar a chefe, Jules.

 

Jules Ostin é uma jovem que há 18 meses criou uma empresa de e-commerce, a qual cresceu e se multiplicou de forma rápida e eficaz, o que fez com que Jules e toda a sua equipe ficasse sobrecarregada. Para administrar sua empresa, precisa se dedicar quase que exclusivamente a ela e isso acaba atrapalhando um pouco sua vida pessoal. O primeiro contato entre Jules se Ben não é dos melhores, ela não sente que ele terá capacidade para trabalhar com ela enquanto ele se sente um inútil por nunca ter demanda de trabalho.

Todavia, Ben é um cara energético e persistente, isso faz com que ele busque formas de mostrar a Jules sua proatividade, o que faz com que a garota lhe olhe com outros olhos. A relação profissional acaba se tornando uma amizade e ao longo de conversas e momentos, Jules e Ben trocam conhecimentos que passam a fazer sentido em suas vidas.

Ao trazer uma protagonista workaholic que abre mão de diversas funções em sua vida pelo seu trabalho, o filme aponta um imensa crítica social que, infelizmente, ainda encontramos nos dias de hoje. Jules se sente culpada por tudo o que precisa abandonar pelo bem de sua empresa, mesmo quando grandes coisas não são culpa dela. Além disso, a forma como a sociedade enxerga essa mulher – em especial outras mulheres – também são pontos altos da trama e que nos deixa refletindo acerca do tema por um longo tempo.

Para mim, que sou empreendedora e dedico grande parte do meu tempo ao meu negócio, esse filme me deu um norte de sobre como as pessoas podem me enxerga e de como eu me porto perante os outros. Ver Jules ser tratada como durona ou até inconsequente apenas por se dedicar a sua empresa foi realmente difícil. Preciso falar também da fragilidade emocional que esse tipo de situação traz e sobre como enxergamos culpa onde não existem.

Enquanto assistia ao filme, percebia o quanto é destoante a forma como homens e mulheres são tratadas nesse ramo. Enquanto homens são ovacionados e têm suas histórias de sucesso narradas em milhares de revistas, mulheres são excomungadas por não estarem dando a devida atenção aos filhos e maridos.

Um Senhor Estagiário abre precedentes para um debate necessário. Estamos vivendo um mundo globalizado, onde as mulheres saíram de casa para trabalhar há anos e pouco tempo depois descobriram que não apenas podem gerir empresas, como também ter as suas próprias. É um filme que fala sobre a liberdade de escolha, os problemas da vida real e compartilham a ideia de que às vezes tudo que a gente precisa é de uma pessoa que nos entenda, um ombro amigo pra chorar; alguém com um lenço para nos oferecer.

Eu amei, me senti parte da história e me conectei com os personagens. Fiquei empolgada, sorri, chorei. Sentimentos foram abundantes durante as duas horas de filme. Acho que não preciso de nada mais para dizer o quando recomendo o filme, acredito que cada um vai tirar uma importante lição sobre essa história. Espero descobrir a de vocês em breve.

Inclusive existem pontos e lições bem legais sobre empreendedorismo dentro da trama que se vocês quiserem eu posso falar mais em um próximo post.

Beijocas da Barb 🖤

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.