sobre livros e a vida

11/10/2016

[Halloween SEA] Tá Na Estante :: ‘Catacomb’ #582

E aí pessoal, tudo bem?

Hoje eu vim contar para vocês um pouco sobre Catacomb, último volume da série escrita por Madeleine Roux e lançada no Brasil pela editora V&R.

Livro: Catacomb
Série: Asylum #03
Autor: Madeleine Roux
Editora: V&R
Páginas: 356
Sinopse: O último ano de colégio enfim chegou. Depois de tanto tempo juntos, Dan, Abby e Jordan resolvem fazer uma viagem e o destino escolhido é a casa do tio de Jordan em New Orleans. Abby está muito ansioso e entusiasmado para a aventura, pois a viagem irá ajudá-lo no projeto fotográfico de locais e monumentos históricos. Mas toda essa euforia diminui quando, no caminho, os três amigos percebem que estão sendo seguidos. E ainda começam a receber mensagens misteriosas, pelo celular de Dan, de um amigo que morreu no último Halloween. Os três amigos vasculham pistas sobre acontecimentos do passado para obter respostas sobre as tais mensagens, sobre um fotógrafo não identificado e sobre a história familiar de Dan. Neste incrível episódio da série Asylum, a única esperança que resta é sair vivo desta viagem.

Nove meses após terem deixado o Brookline para trás em chamas, Dan, Abby e Jordan acreditam que todos os seus pesadelos não passam de terríveis memórias. Para dar início a essa nova e mais leve fase de suas vidas, Jordan decidiu sair da casa de seus pais onde não podia ser totalmente ele mesmo para ir morar do outro lado do país com seu tio. Dan e Abby decidem ajudar Jordan nessa mudança e aproveitam para passar os seus últimos dias juntos antes de cada um seguir seu caminho para diferentes faculdades.

O que Abby e Jordan ainda não sabem é que Dan não conseguiu deixar tudo o que aconteceu no Brookline para trás. Antes de voltarem para casa após uma terrível temporada na instituição, o garoto resgatou documentos que poderiam conter informações sobre seus pais biológicos. O fato de Dan possuir esses documentos sem o conhecimento de seus amigos o está deixando carregado de culpa e preocupação. Decidido a não manter mais segredos, o garoto percebe que sua melhor opção é contar tudo o que tem escondido deles.

Porém toda a sua confiança desaparece ao receber uma notificação em seu celular. O que poderia ser uma simples mensagem enviada para seu Facebook se transforma em mais um capítulo de seu interminável pesadelo ao perceber que o remetente da mensagem é Micah, um dos estudantes que faleceram nos acontecimentos de 9 meses atrás. Com a intenção de poupar seus amigos de qualquer preocupação e estragar a viagem dos três, Dan tenta guardar essa informação para si o máximo possível, mas essa tarefa se mostra mais difícil do que o imaginado. Abby percebe que há algo de errado com o amigo e o faz contar tudo o que está escondendo. Sem escolha, o garoto conta tudo o que guardava desde os documentos encontrados na instituição até a mensagem póstuma recebida horas atrás.
Ao procurar mais informações na internet sobre os documentos encontrados por Dan, Abby descobre que o prédio que estampava um cartão postal escrito pelo pai biológico do garoto é na verdade uma escola há muito abandonada e coincidentemente bem próxima do local onde os garotos estão. Sem pressa para chegarem a seu destino final, os garotos decidem fazer uma rápida visita ao prédio abandonado para ver se encontram alguma pista sobre o que pode ter acontecido com os pais de Dan. O que eles não esperavam é que eles não estariam sozinhos ali, uma figura desconhecida os seguia e tirava fotos escondida.

Após perceberem que estavam sendo seguidos em outras ocasiões após o episódio da escola, o trio de amigos decide que a melhor opção para eles é acabar com as paradas turísticas e irem direto para seu destino final, a casa do tio de Jordan, Steve. O que eles não imaginam é que o destino final dessa jornada é uma cidade dominada por uma organização secreta especializada em tráfico de ossos humanos e com assuntos não finalizados com a família de Dan.
Para sair dessa, o grupo de amigos precisará mergulhar de cabeça nessa perigosa jornada e torcer para que o desafio que estão prestes a enfrentar não seja tão grande quanto eles imaginam.
Uma das melhores sensações do mundo é terminar uma série que você acompanha há muito tempo. Essa sensação é melhor ainda quando a escrita do autor consegue evoluir a cada livro, e talvez não tenha sido exatamente o que aconteceu com essa trilogia.
Assim como nos livros anteriores da série, Madeleine conseguiu manter a fluidez de sua narrativa em terceira pessoa. O livro é divido em capítulos pequenos e isso faz com que a leitura voe. Outro ponto muito importante na escrita desse livro é o fato de que mesmo um pouco tarde, percebemos que a autora conseguiu encontrar qual o rumo correto da série, deixando para trás as tentativas de criar um livro de terror e seguindo uma linha mais voltada para o suspense policial.
Como nem tudo são flores, não foram feitas melhorias em todos os aspectos do livro, pois em uma tentativa de evoluir deixando para trás os acontecimentos do Brookline a autora acabou criando uma história quase completamente separada dos livros anteriores mantendo apenas os mesmos personagens e algumas informações já conhecidas. Isso não quer dizer que a história é horrível, ela simplesmente não parece ser conectada aos livros anteriores.

O excesso de plot twists e de coincidências no livro também é algo que poderia ter sido evitado. Tudo bem aceitar que algumas vezes o destino pode te colocar no lugar certo e na hora certa, porém a aventura de Dan é toda baseada em sorte, pois por incrível que pareça ele sempre estará presente no exato momento em que algo extraordinário irá acontecer.
Os personagens com certeza foram a minha maior decepção nesse livro. O trio de amigos que no primeiro livro eram cheios de personalidades conseguiram ser transformados em personagens completamente bidimensionais nessa finalização. Abby e Jordan congelaram no tempo e não tiveram evolução alguma no decorrer da série. Dan, o personagem principal, conseguiu ser ainda pior e regredia a cada página lida. Os novos personagens apresentados em Catacomb são tão sem personalidade que poderiam ser trocados por outros e não teria grande impacto no enredo.
Os primeiros livros dessa trilogia conseguiram tratar muito bem de assuntos como ansiedade social, transtornos mentais, a tortura sofrida por pacientes com transtornos mentais, o impacto dessa tortura nas vítimas e em suas famílias, a solidão causada pelo isolamento de alguém simplesmente por ser diferente e etc, e isso é um dos maiores destaques da série, infelizmente Catacomb não seguiu a mesma linha e acabou passando a impressão de ser um livro um pouco mais raso.
Um ponto, provavelmente o único, que merece aplausos é o cuidado que a editora tem em questões físicas com essa série. O livro segue o mesmo padrão de capa fosca dos anteriores e a mesma diagramação perfeita. Páginas de separação de capítulos, fotografias durante todo o livro, margens e espaçamento comuns e detalhes no rodapé de cada página.
Catacomb é um livro que tinha tudo para ser incrível mas que infelizmente decidiu seguir um outro caminho e acabou se perdendo completamente. Por não conseguir se um bom livro solo e muito menos uma boa finalização, o livro não consegue servir como incentivo para a leitura da série.

***
Esta postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique aqui e saiba como participar.

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.