sobre livros e a vida

23/11/2016

Tá Na Estante :: ‘Traços’ #609

Heeey, gente. Tudo bem?

Olha eu aqui com mais uma resenha pra vocês. Dessa vez em dupla com o Leonildo, representando o Blog Prazer, Me Chamo Livro. Vamos ver o que nós dois achamos de Traços?!

Livro: Traços
Autor: Eduardo Cilto
Editora: Outro Planeta
Páginas: 272
Sinopse: Quando Matheus aceitou acompanhar Beatriz na festa do colégio, jamais imaginou que terminaria a noite participando de um ritual místico (de veracidade duvidosa) para saber o que o futuro reservava para ele e a amiga. Assim que as velas que os cercavam se apagam e uma resposta esquisita encerra a cerimônia, Beatriz leva o resultado a sério e entende que deve fugir da cidade pequena para se encontrar com seu destino nas ruas da capital de São Paulo. Perdido no meio de tudo, Matheus é obrigado a repensar o que considera certo ou errado quando é convidado para participar do plano maluco de fuga e decide que precisa passar por cima dos limites impostos pelos pais para finalmente ser capaz de entender quem realmente é. Os dois amigos partem sozinhos para São Paulo e carregam consigo não somente as malas nas costas, mas também o peso de todos os problemas que achavam que estavam deixando para trás. Sem ter ideia do que estão enfrentando, Matheus e Beatriz descobrem mais sobre si mesmos, criam, quebram laços e encaram desafios que jamais pensaram que confrontariam enquanto contavam as moedas para realizar esse grande plano que iria mudar suas vidas para sempre.

Matheus e Beatriz são grandes amigos desde que o garoto mudou-se com a família de São Paulo para o interior, após a morte do irmão mais velho. Os dois não se desgrudam e Matheus faz tudo por Bia, porque é profundamente apaixonado pela menina. Então, não é surpresa pra ninguém quando ele, que não sai de casa para nada, aceita acompanhar a amiga na festa da escola.
A noite não anda do jeito que os dois imagina, tampouco termina da forma que Matheus esperava. Ele e Bia se unem ao casal Ivo e Fernanda e vão para a casa da última fazer um ritual. Fernanda é um tipo de menina que acredita ser bruxa e ter o poder de ver o futuro das pessoas. Como Bia tem uma obsessão pelo que virá depois, deseja que Fer apresente para ela seu destino.
Durante o tal rito, Fernanda tem um ataque epilético, mas antes de desmaiar, diz para Bia que seu futuro está longe dali e que ela precisa ir atrás dele. A menina fica bastante intrigada com a mensagem que veio do além, mas não conversa com Matheus a respeito disso. A verdade é que Bia está armando um plano de fuga para São Paulo e vai precisar da ajuda do melhor amigo mais do que nunca.

Existe um canal no YouTube chamado Garoto de Verdade e Bia nutre uma paixão secreto pelo menino que apresenta. Ela acha que ele fala diretamente com ela, já que se identifica muito com seus vídeos. Então, a menina deseja ir até São Paulo e encontrá-lo, fazer com que ele ao menos saiba da existência dela.

Assim, Bia rouba dinheiro dos pais e compra duas passagens para a metrópole, uma para ela e outra para Matheus. À princípio o menino hesita, mas após uma briga terrível com os pais, decide que está na hora de responder por si mesmo e vai acompanhar Bia em sua aventura. O plano não sai como os dois esperavam quando o ônibus em que eles viajam estraga no meio da viagem.
Logo os dois precisam colocar suas cabeças para funcionar e descobrir uma nova forma de chegar até São Paulo, antes que seus pais percebam sua fuga. Munidos de pouco dinheiro e com uma cara de pau de dar inveja, os amigos se aventurarão pelas estradas em busca do destino de Bia e descobrirão diversas coisas sobre o mundo e sobre si mesmos.
Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!
LEO: Quando soube do lançamento de Traços, não sabia bem o que esperar. Acompanho o canal do Cilto e gosto dos seus vídeos, mas isso não confirma que ele seja um bom escritor. Tenho um certo trauma de livros de booktubers, mas resolvi dar uma chance a este de mente aberta. Contudo, foi difícil até de concluir a leitura.
A escrita de Eduardo Cilto é um tanto arrastada e monótona. O livro, que tem pouco menos de 300 páginas, seria lido por mim em poucas horas normalmente, mas demorei quase um dia inteiro para concluir a leitura. Tudo por causa do enredo, que é completamente maluco e precisei parar certos momentos pra processar o que estava lendo, e pelas expressões arcaicas usadas pelo autor, que me faziam sentir que estava lendo um livro de cem anos atrás.
BARB: A narrativa é toda feita em primeira pessoa, sob a perspectiva de Matheus, e não consegui entender muito bem onde Cilto quis chegar com o personagem. Matheus tem seus dezesseis anos, mas ora age como se tivesse 10, ora como se tivesse 30. Achei seu desenvolvimento um tanto clichê, já que ele é mais um jovem que não conhece o mundo lá fora e vai amadurecendo devido aos desafios em seu caminho em busca do amor.
Além disso, todos os personagens da obra são estereotipados demais e não consegui criar empatia por nenhum. Beatriz é uma menina sonsa e egoísta, que pensa que o mundo gira ao seu redor e não se importa com os sentimentos dos outros. Juro que estou até agora tentando entender a amizade dela com Matheus, porque não faz o menor sentido os dois serem tão próximos e saberem tão pouco um da vida do outro.
LEO: Um dos meus maiores problemas com o livro foi o fato de o autor não saber desenvolver as subtramas que apresentou. Como por exemplo o fato da morte do irmão mais velho de Matheus. Ela foi abordada no início e tinha momentos que parecia que Cilto esquecia que tinha inserido esse elemento na trama, porque simplesmente não se falou mais no assunto até quase o desfecho. Um tanto sem nexo isso.
Também preciso falar sobre a vibe Marina Joyce que o livro começa a apresentar lá na metade. O que foi aquilo, meu Senhor? A narrativa foi para um lado completamente insano e comecei a me perguntar o que Cilto tinha na cabeça quando teve a ideia de escrever essa obra, porque olha… Não foi fácil concluir a leitura quando isso foi jogado na minha cara.
BARB: O desfecho da obra foi algo que não consegui processar até agora. Eduardo inseriu tantos elementos que fiquei muito confusa enquanto lia e precisei voltar algumas vezes pra ter certeza que aquilo estava realmente acontecendo. Eu juro que esperei o momento que o protagonista acordaria e tudo que tinha ocorrido na trama não passava de um pesadelo. Infelizmente me decepcionei.
Quanto à edição física, a Outro Planeta arrasou. O livro conta com uma capa belíssima, que super chamaria minha atenção na livraria se eu não conhecesse a obra. As páginas são amareladas, a fonte é grande e a diagramação é simples. Encontrei alguns erros de revisão que me incomodaram, como por exemplo “opção sexual” no lugar de “orientação”, mas isso foi o de menos.
LEO: Com uma narrativa arrastada e uma história que não vai a lugar nenhum, Traços se enquadra nas grandes decepções do ano. Infelizmente, não tenho como recomendar essa obra para vocês, mas se quiserem arriscar e tirar suas próprias conclusões, me contem aqui nos comentários o que acharam.

Beijocas e até a próxima!!!
***
Esta postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
CLIQUE AQUI e saiba como participar!

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.