sobre livros e a vida

01/03/2016

Tá Na Estante :: ‘O Que Há de Estranho em Mim’ #506

Oi, gente. Tudo bem?

Hoje é dia de resenha, yaaaay, e vim contar pra vocês o que achei do novo livro da Gayle Forman, lançado no último mês pela editora Arqueiro. Vamos conferir?!

Resenha - O Que Há de Estranho em MimLivro: O Que Há de Estranho em Mim
Autora: Gayle Forman
Editora: Arqueiro
Páginas: 224
Sinopse: Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.

Essa resenha está sendo bem complicada de escrever. Normalmente, nos meus posts, falo um pouco sobre a história, incrementando o que diz a sinopse e então dando minha opinião sobre tudo que li. Porém, nesse caso, isso não é exatamente possível. A sinopse diz exatamente o que esperar do livro e contar qualquer detalhe a mais seria spoiler. Por isso, vou dar apenas minha opinião dessa vez.
Acho que não é novidade pra ninguém que eu e Gayle Forman temos uma relação de amor e ódio. Já li todos os seus livros publicados aqui no Brasil e somente a duologia Apenas um Dia (resenhas aqui e aqui) conseguiu me conquistar. Mas é aquilo, sou brasileiro e teimei que Gayle não poderia ter acertado uma única vez (ou duas), então resolvi insistir na autora, lendo O Que Há de Estranho em Mim, que seria sua última chance de me cativar.

Quando o livro chegou, acabei colocando direto na estante, pois não me sentia “no clima” para lê-lo. Só fui pegar realmente quando viajei e o livro foi meu companheiro durante o voo. Uma viagem curta, daqui até o Rio de Janeiro, pouco mais de duas horas… suficientes para que eu devorasse a história.
A escrita de Gayle Forman é excelente, isso nunca contestei. A autora peca apenas no quesito enredo, deixando muitas coisas sem explicação e levando as histórias à caminhos imprevisíveis. Entretanto, nesse novo livro foi diferente. Tudo pra mim pareceu conectado e fazendo sentido, de uma forma que quando virei a última página, a sensação de dever cumprido veio junto.
O livro é narrado em primeira pessoa, sob a perspectiva da protagonista. Brit é uma adolescente comum, que está passando por aquele momento rebelde e a decisão do pai de interná-la por um motivo diferente desse – plausível, mas totalmente insensato – só me fez torcer pela garota, para que ela desse a volta por cima e mostrasse quem realmente é. Isso facilitou criar uma conexão com Brit e gostar de verdade dela, o que não costuma acontecer com as personagens de Gayle.
A história tem aquela vibe Garota, Interrompida, mas uma versão que poderia ser exibida na Sessão da Tarde. Os dilemas são diferentes, as reações também, mas o contexto é o mesmo. Mais de uma vez me peguei comparando a obra com o filme, inclusive encontrei várias semelhanças entre as personagens de ambos. Não sei se foi ideia de Gayle se inspirar, mas gostei de encontrar essa conexão, já que Garota, Interrompida é um dos meus filmes favoritos.
Minha personagem favorita, sem sombra de dúvida, é V (que seria mais ou menos a personagem da Angelina Jolie no filme). V é humana e todos as suas atitudes são extremamente avaliadas antes de realizadas. Ela sabe o que quer e como conseguir. Além disso, V mostra-se uma grande amiga para Brit, ajudando-a inúmeras vezes, fazendo um grande bem para a garota, mesmo que todos no internato dissessem o contrário.
O único defeito do livro, pra mim, foi que o romance não me convenceu. Brit estava apaixonadinha Jed, líder da banda do qual ela fazia parte, mas o garoto nunca tinha mostrado que sentia algo a mais. Bastou Brit ser internada que a paixão dos dois aflorou, como se o fato de ser proibido tivesse acendido alguma fagulha. Senti o mesmo com o romance de Eu Estive Aqui (resenha) e sinto muito que Gayle tenha persistido no erro.
O desfecho, apesar de previsível, foi bem interessante. Gayle atou todas as pontas soltas, deu um destino digno para cada menina e mostrou que sabe sim como finalizar uma história. Realmente tirei o chapéu para a autora e decidi continuar lendo seus livros. 
A edição física da obra está ótima. A capa é bem chamativa e tem muito a ver com o livro. A revisão está impecável, não lembro de ter encontrado nenhum erro durante a leitura. A diagramação é simples, as páginas são amareladas e a fonte é grande.
O Que Há de Estranho em Mim é um ótimo livro para passar o tempo e ter aquela leitura despretensiosa no intervalo de algo mais intenso. Com certeza recomendo a leitura e continuarei lendo as obras da autora.
Beijos e até a próxima!

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.