sobre livros e a vida

03/01/2019

Tá Na Estante :: Celular

Stephen King tem um dom. Ele consegue pegar uma história que até então é conhecida por um elemento e transforma isso com o seu toque, dando a ele uma nova narrativa e um novo efeito sobre o leitor. O efeito King.

Isso fica claro em Celular. Essa história tinha tudo para ser uma história sobre zumbis como outra qualquer: um vírus implode e modifica a sociedade que era conhecida até então, colocando os protagonistas em risco. King consegue trazer a tona um aspecto claustrofóbico para a nossa sociedade: o que aconteceria se aquilo que nós temos como parte de nós, nos aniquilasse?

O autor escolhe o celular como o precursor e ele se espalha mais rápido do que qualquer outro vírus ou bactéria mortal. Aqueles que não tem um ou tiveram a sorte de não atender a ligação mortal sobrevivem a esse mal e dentre essas pessoas nós temos os nossos protagonistas: Clay, Tom e Alice.

Clay estava para retornar para casa quando o incidente desconhecido acontece e ele assiste horrorizado as pessoas se transformando em criaturas selvagens e atacando uma as outras. O destino coloca Tom no caminho dele que também está perdido no meio desse caos, tentando sobreviver e entender o que raios está acontecendo.

Buscando segurança, Clay leva Tom para o hotel onde ele estaria hospedado caso o mundo não estivesse desabando. Alice surge precisando de ajuda e mesmo temendo que ela seja um deles, eles a ajudam e a levam para a proteção do hotel.

Desse momento em diante, o trio se une para sobreviver e acabam no caminho descobrindo novos sobreviventes que, como eles, tentam entender o que aconteceu e também lidar com a dor da perda dos seus entes queridos. Isso leva o trio a torna-se alvo do líder dos fonáticos, como as criaturas são chamadas.

Os personagens são agradáveis e atraentes cada um do seu jeitinho distinto. Clay é o protagonista da narrativa e está concentrado em cruzar o país para reencontrar a sua família. Ele não é o mais esperto do trio, mas é o mais corajoso e determinado. Alguns pensamentos do personagem sobre a Alice me incomodaram, por soarem um tanto machistas, o que me atrapalhou para ter simpatia por ele.

Isso já não rolou com Tom e Alice. O Tom é uma fofura. Esperto, inteligente, engraçado e protetor. Ele é aquela pessoa que no fim do mundo você teria sorte de encontrar. Ele é puro, humano e o seu foco é manter o grupo unido e protegido. Alice é a jovem impulsiva  dominada pelas suas emoções. Ela tem muita raiva, mas também sente por demais e ela não sabe como extravasar isso, seja apertando um sapatinho de um bebê desconhecido ou queimando uma horda.

São personagens carismáticos, você torce para que eles sobrevivam a todo o caos que os cerca e a qualquer sinal de perigo você deseja proteger eles em uma bolha. Só que elas estouram…

A escrita de Stephen King está no ponto. Ele não exagera na descrição, nas informações e também não te dá as coisas com as lacunas para preencher. Tudo que é entregue na história é o necessário para você embarcar nessa jornada. A escrita dele flui deliciosamente e você se sente seduzido pelos personagens e em desvendar o que acontecerá com eles. O clima de suspense é presente a todo instante, como o sentimento de perigo constante.

Para amantes de histórias de apocalipse com zumbis, Celular é uma pedida criativa e cativante. Não tem como errar.

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.