sobre livros e a vida

26/04/2017

Tá Na Estante :: ‘Caraval’ #657

Oiiiii, mates. Tudo bem?

Chegando aqui com a aguardadíssima resenha de Caraval, da autora Stephanie Garber. 

LIVRO: Caraval
SÉRIE: Caraval (#1)
AUTORA: Stephanie Garber
EDITORA: Novo Conceito
PÁGINAS: 298
SINOPSE: Scarlett nunca saiu da pequena ilha onde ela e sua irmã, Donatella, vivem com seu cruel e poderoso pai, o Governador Dragna. Desde criança, Scarlett sonha em conhecer o Mestre Lenda do Caraval, e por isso chegou a escrever cartas a ele, mas nunca obtivera resposta. Agora, já crescida e temerosa do pai, ela está de casamento marcado com um misterioso conde, e certamente não terá mais a chance de encontrar Lenda e sua trupe, mas isso não a impede de escrever uma carta de despedida a ele. Dessa vez o convite para participar do Caraval finalmente chega à Scarlett. No entanto, aceitá-los está fora de cogitação, Scarlett não pretende desobedecer ao pai. Sendo assim, Donattela, com a ajuda de um misterioso marinheiro, sequestra e leva Scarlett para o espetáculo. Mas, assim que chegam, Donattela desaparece, e Scarlett precisa encontrá-la o mais rápido possível.O Caraval é um jogo elaborado, que precisa de toda a astúcia dos participantes. Será que Scarlett saberá jogar? Ela tem apenas cinco dias para encontrar sua irmã e vencer esta jornada.
Scarlett vive com a sua irmã e o seu pai em uma pequena ilha. Por conta da crueldade e manipulação do seu pai, o Governador Dragna, Scarlett mal pode esperar para se casar com o seu prometido, um Conde. Ela não o conhece, mas vê nele a sua chance e consequentemente da sua irmã de escapar das maldades de seu pai e viver longe de sua posse para sempre. 
Só que Scarlett não podia esperar que, após anos sem respostas, o Mestre Lenda do Caraval responderia a sua carta pedindo para retornar as atividades da sua ilha mágica e assim permitisse a sua entrada e a da sua irmã. Um sonho para realizar no meio do inferno da sua vida. Após um mal entendido, um incidente e a aproximação do seu casamento, Scarlett amedrontada teme não poder mais escapar das garras do seu pai para conhecer o sonhado Caraval.
É quando Julian, um marinheiro conhecido de sua irmã entra em cena e faz uma proposta irrecusável. O que acontece daqui em diante é perigoso demais para dividir com você, leitor. Apenas um conselho posso lhe dar. Se algum dia você tiver a sorte (ou não) de conhecer Caraval, lembre-se: é tudo um jogo.

QUE LIVRO! Terminei a leitura na segunda feira, meia noite e meia. Em ponto. Até agora eu estou em conflito com a minha opinião. Gostei muito do livro, mas preciso destacar alguns pontos que causaram incomodo para mim. 
Começando pelo lado positivo. A narrativa de Stephanie Garber é incrível. Eu consegui viver em Caraval. Ela tem uma escrita um tanto que rebuscada e descritiva, beirando a cenas capazes de causar um efeito caleidoscópico em sua mente com menções de cores e sensações e gostos. É uma imersão de todos os nossos sentidos. Fenomenal. Eu acredito que esse elemento de afetar todos os nossos sentidos foi planejado por ela durante a escrita, como uma tentativa de trazer um pouco da magia e terror do mundo de Caraval durante a nossa leitura.

A história é muito boa. Ela não se prende a dramaticidade de alguns eventos e na primeira oportunidade, Garber se joga na aventura, brinca um pouco no romance e rapidamente arremessa o leitor no suspense envolvente de um Jogo que pode ou não ser uma ilusão, como também nos seduz com as dúvidas da protagonista, Scarlett.
É uma leitura rápida. Não sei dizer se é a escrita boa da autora ou se eu me senti instigada para descobrir como Scarlett seguiria em sua jornada, mas em nenhum momento fui acometida com o sentimento de não ler naquele dia ou seduzida para continuar a leitura de outro livro.
Agora, vamos falar dos pontos negativos? Scarlett. No começo do livro, a protagonista não me convenceu. Uso a palavra ‘convencer’ aqui no sentindo literal. Eu simplesmente não comprei ela como personagem. Sentia que faltava algo nela. Sentia ela caminhar apática na história. Ela tinha papas nas línguas e até toma atitude quando a hora clama, mas em alguns momentos, eu sentia que ela se entregava a situação e remoía rapidamente as suas faltas e os seus desejos cegos e duvidas aterradoras. 
Sem contar que ela é muito agarrada a algumas esperanças pouco credíveis. Ela se sentir segura com um casamento arranjado pelo pai (um monstro) com um homem que ela nunca conheceu? Ao fim da leitura, eu entendi o motivo por trás desse meu sentimento, mas não entregarei aqui para não estragar a leitura para ninguém.
As repetições também me incomodaram. Existem capítulos seguidos que a autora reforça pensamentos da protagonista e é desnecessário, como excessivo. Ela repete para mais de dez vezes que quer se casar com o Conde, não por amor, mas para ter um futuro seguro com a irmã, longe do pai, mesmo sem saber quem é o homem. Ela repete que quer encontrar a irmã, o que é um fato, pois é o plot central da história. Enfim, isso tornava a leitura pouco agradável e confesso ter usado da minha leitura dinâmica nesses momentos.
E por fim, a polêmica: não sei se gostei do final. Por um lado: AMEI. Não esperava por TODAS aquelas reviravoltas. Em nenhum momento eu pensei: isso pode rolar. Foi uma surpresa. Foi positiva. Até que eu dormi, acordei e analisei. Talvez, não tenha sido esse Doritos todo. Por outro lado, após todas as reviravoltas, os capítulos se tornaram uma enciclopédia. 
A autora resolveu fazer altas explicações sobre os conceitos de magia, tomou algumas decisões a lá Deus Ex Machina, explicou detalhes do jogo, acontecimentos desconhecidos por Scarlett e chegou um ponto que eu fiquei me questionando se não teria sido melhor ela ter usado outro recurso narrativo, mostrar a cena ou só descrever.
É uma excelente leitura. Eu estava LOUCA para ler esse livro e, agora, eu quero saber como vou ficar sem sequer uma previsão para a continuação. Vou ter que ir pessoalmente em Caraval para resolver isso.
Beijos e até mais!

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.