sobre livros e a vida

03/08/2016

Tá Na Estante :: ‘Arena 13’ #561

Oi, gente. Tudo bem?

Aqui quem fala mais uma vez é a Denise, do Blog Sacudindo as Palavras. Estou de volta dessa vez pra falar de um livro que li recentemente, primeiro de uma trilogia, e gostei bastante. Vamos lá?!

Livro: Arena 13
Série: Arena 13 (#01)
Autor: Joseph Delaney
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 320
Sinopse: Leif tem uma única ambição: tornar-se o melhor lutador da famosa Arena 13. Lá, os espectadores apostam em qual lutador vai derramar sangue primeiro. E, em ajustes de contas, apostam em qual lutador vai morrer. Mas a região é aterrorizada por Hob, um ser maligno que se deleita torturando a população e exibe o seu poder devastador desafiando combatentes da Arena 13 a lutas até a morte quando bem entende. E isso é exatamente o que Leif quer, pois ele conhece bem os crimes de Hob. E, no cerne da sua ambição, arde o desejo de vingança. Leif procura revanche contra o monstro que destruiu a sua família. Mesmo que isso lhe custe a vida.

Em Arena 13, primeiro livro da nova trilogia do autor de As Aventuras do Caça-Feitiço, somos apresentados a Leif, que tem o sonho de ser o melhor lutador da Arena 13. Após a morte dos pais, Leif sai da sua cidade com um bilhete azul em mãos, rumo a Gindeen, onde fica localizada a Arena 13. Esse bilhete azul lhe concede o direito de ser treinado por qualquer treinador, mas o jovem quer o melhor e acredita que este seja Tyron. Mas Tyron é um homem  muito rígido e não vai aceitar Leif em sua equipe tão fácil assim. Ele terá que provar que é digno de lutar na Arena 13. 
A Roda é o local onde ficam as 13 arenas. E em doze de suas arenas, as disputas são travadas entre lacs. Os lacs são uma espécie de robôs que são compostos de carne e que tem algum sentimento. Já na Arena 13, que é a mais famosa, é disputado o torneio Trigladius, considerado o nível mais alto de combate na Roda, que envolve tanto lacs quanto humanos.
Nesse combate, um participante humano fica atrás de três lacs, que é conhecido como posição “mag” e seu adversário fica atrás de um só lac, conhecido como posição “min”, no qual a vitória resulta do ato de derramar sangue humano e normalmente esta é marcada por um corte ritual no braço do combatente derrotado, mas acidentes podem acontecer no meio da disputa e algum lutador pode acabar morrendo. Também nessa arena podem haver combates de ajustes de contas, onde as lutas terminam com a decapitação do perdedor.

E no meio disso tudo, também existe uma criatura chamada Hob que assombra a região junto com outras criaturas comandadas por ele. Essa criatura malévola caça humanos, chupa o sangue e, às vezes, a mente deles. Ocasionalmente, ele requisita lutas até a morte na Arena 13, sempre lutando na posição de mag. E Leif também tem o desejo, como a maioria dos lutadores, de acabar com essa criatura. No meio dos treinamentos para alcançar seus objetivos, ele terá que enfrentar muitas outras coisas.

Logo quando vi a capa desse livro, fiquei muito empolgada para lê-lo. Como não tinha lido nada do autor e como tinha certa curiosidade em conhecer sua escrita, achei que este livro seria uma ótima oportunidade e acho que acabei acertando.
O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista do Leif e gostei muito de ter essa experiência através de seus olhos. Apesar de parecer bem confuso as questões de como a arena funciona, achei que a narrativa foi bem detalhada e explicou com calma, para deixar o leitor por dentro de tudo.

Alguns personagens são bem construídos, mas outros nem tanto. Leif é um protagonista bem esperto, mas que em certos momentos me pareceu bem criança, com atitudes bem bobas. Assim como outros personagens, que tinham atitudes bem desnecessárias. Uma dessas personagens é Kwin. Ela é a filha caçula do Tyron e é meio que revoltada pelo fato de não poder lutar na arena por ser mulher. Eu até entendo isso, mas tem vários momentos que ela colocou o Leif em perigo para fazer o que ela queria, e isso eu achei mega desnecessário.

Outra coisa que me incomodou foi que o Leif tem uma paixão platônica pela Kwin e por isso ele acaba aceitando fazer tudo o que ela quer. Esse “romance” no meio da história, para mim, ficou um tanto deslocado e espero que o autor conserte isso no próximo volume.

De resto, o livro é muito bom. Achei que Joseph soube conduzir a história de um modo bem fluido. Ele conseguiu terminar o livro de um modo bem fechado, mas deixando aquela pontinha para a continuação, que espero que seja lançada logo, pois fiquei curiosa para saber como tudo vai terminar.
No geral, a edição do livro está muito boa, assim como a capa, que está muito bonita. Recomendo Arena 13 para quem está procurando um livro de fantasia, um pouco sangrento e com aquela pontinha de distopia. Tenho certeza que você irá gostar.
Beijos e até qualquer hora!

***
Esta postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique aqui e saiba como participar.

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.