sobre livros e a vida

25/12/2017

Na Telona :: ‘O Rei do Show’ #64

E aí, pessoal! Tudo bem?

Na semana passada eu tive a oportunidade de participar de mais uma cabine de imprensa em parceria com a Espaço/Z aqui em Brasília. Vamos conferir o que eu achei?!

FILME: O Rei do Show
TÍTULO ORIGINAL: The Greatest Showman
DIRETOR: Michael Gracey
DISTRIBUIDORA:  Fox Film
DURAÇÃO: 1h45min
LANÇAMENTO: 25 de dezembro de 2017
CLASSIFICAÇÃO: 10 anos
GÊNERO: Musical
SINOPSE: Nos anos 1800, P.T. Barnum (Hugh Jackman) perde o emprego. Ele então tem a ideia de criar um museu de curiosidades, tendo como artistas pessoas nada comuns. Barnum inaugura o universo do show business, transformando a magia em um grande espetáculo circense.

No fim do ano passado quando eu descobri que um musical com Hugh Jackman e Zac Efron chegaria às telonas no fim de 2017 eu imediatament comecei a listar mentalmente todas as maneiras que esse projeto poderia dar errado. Quando o primeiro trailer saiu eu continuei pensando que seria um desastre e estava bem feliz de não ter criado expectativas. Isso mudou há algumas semanas quando lançaram oficialmente a trilha sonora do filme e eu resolvi ouvir. Em menos de 30 segundos eu já fui completamente conquistado pelas composições de Pasek e Paul (La La Land e Dear Evan Hansen).

O filme conta a história de Phineas Taylor Barnum, um homem de meia idade que devido a forças da natureza acaba sendo demitido da empresa onde trabalha. Com uma casa, esposa e duas filhas para manter, Barnum decide se arriscar abrindo seu próprio negócio.

Com a ajuda de um pequeno empréstimo, Phineas abre então um museu de bonecos de cera na esperança de um bom retorno financeiro. Após perceber que o retorno financeiro desejado provavelmente nunca será alcançado dessa maneira, Barnum precisa pensar em algo novo e incrível para atrair público para o seu museu.

Quando suas filhas pedem para que ele traga para seu museu coisas extraordinárias e com vida, como sereias e unicórnios, Phineas decide então criar o primeiro show de ‘aberrações’ (como eram tratadas no século IX todas as pessoas que fossem diferentes do que era considerado normal).

Porém mesmo com o ‘sucesso’ de seu show, Barnum ainda não se sente aceito pela alta sociedade e decide arriscar tudo aquilo que contruiu para tentar provar para si mesmo que pode alcançar o que um dia disseram que ele não era capaz.

Após o desastre cinematográfico que foi Os Miseráveis (2012) eu estava com os dois pés atrás em relação a ter Hugh Jackman no papel principal de um musical. No fim da sessão eu pude respirar aliviado por estar completamente errado. O ator que foi eternizado no papel do mutante Wolverine consegue carregar o filme de uma maneira incrível e mostrando que ainda carrega no sangue os seus tempos de teatro musical.

O restante do elenco também não deixa a desejar. Zendaya e Zac Efron (que finalmente não tirou a camisa) dão vida a um casal improvável para a época, Michelle Williams interpreta a esposa de Hugh e faz o que nasceu para fazer, cara de choro. O destaque vai para a talentosíssima Keala Settle no papel de Mulher Barbada. O que nos leva ao primeiro ponto negativo do filme.

Keala Settle é uma atriz que já esteve no elenco de shows como Os MiseráveisPriscilla, a Rainha do DesertoWaitressHairspray; já foi indicada a diversos prêmios por suas performances no teatro e simplesmente foi ignorada durante o filme, perdendo inclusive alguns solos que possui na trilha sonora.

A trilha sonora é com certeza o maior ponto positivo do filme. Com uma pegada bem mais pop do que eu esperava, a trilha sonora composta por Benj Pasek e Justin Paul é perfeita para aqueles que não gostam muito ou não são acostumados com musicais pois deixa de lado aquelas melodias clássicas que encontramos em grandes musicais da Broadway e aposta nas batidas mais populares que ouvimos diariamente.

Visualmente o filme também está muito agradável, mesmo com o excesso de CGI em diversas cenas.

Infelizmente nem tudo saiu tão bem executado como deveria. Infelizmente o maior exemplo disso foi a direção do filme que estava extremamente perdida. Na tentativa de criar um filme bem dinâmico o diretor acabou pecando muito no ritmo do filme, deixando algumas partes extremamente corridas e deixando muita coisa de fora. O acréssimo de pelo menos uns 15 minutos e ajustes em algumas das cenas fariam muito bem ao produto final.

O Rei do Show, que chega hoje aos cinemas brasilerios, pode não ser o melhor dos musicais lançados nos últimos anos (olá La La Land) mas com certeza é a melhor opção para conferir com a família nesse fim de ano.

Beijos e até a próxima!

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.