sobre livros e a vida

11/11/2016

Na Telona :: ‘Elis’ #49

Oi, gente. Tudo bem?

Na última terça-feira participei de mais uma cabine de imprensa aqui em Porto Alegre, em parceria com a Espaço/Z, e hoje vim contar para vocês o que achei do filme em questão, que é a cinebiografia de um dos fenômenos da MPB. Vamos conferir?!

Filme: Elis
Diretor: Hugo Prata
Distribuidora: Downtown Filmes
Duração: 1h55min
Lançamento: 24 de novembro de 2016
Classificação: 14 anos
Gênero: Drama
Sinopse: Cinebiografia da cantora Elis Regina. O filme acompanha a adolescência da artista, com as dificuldades financeiras e os primeiros testes para ter seu talento descoberto, até a ascensão, incluindo o destaque na televisão, os envolvimentos amorosos, as controversas decisões tomadas durante a Ditadura Militar, as brigas com parceiros de trabalho e a dependência de drogas e álcool, que levaram à sua morte precoce.

Todo mundo conhece ou pelo menos já ouviu falar sobre Elis Regina. Ela foi um fenômeno da MPB e suas músicas são conhecidas e ouvidas até hoje, atravessando gerações com seu talento e sonoridade. Todavia, sua história de vida foi bastante controversa e muitos não conhecem todos os detalhes. Então, o diretor Hugo Prata reuniu-se a uma grande equipe e assim nasceu Elis – O Filme.

A obra se inicia com a chegada da jovem Elis Regina ao Rio de Janeiro. Vinda de Porto Alegre, em abril de 1964, Elis chega à capital carioca acompanhada do pai para gravar seu disco, um sonho realizando-se para uma menina de 19 anos. O porém é que a gravadora em questão havia solicitado a presença dela em fevereiro e ela só chegou dois meses depois, com um mercado um tanto inapto para novos talentos.
Frustrada, mas sem nunca desistir, Elis começa a mostrar sua impetuosidade e conquista aos poucos seu lugar ao sol. Ela começa a cantar em uma casa de shows comandada por Ronaldo Bôscoli e Miéle e treina ao lado do incrível Lennie Dale. Dali pra frente ela só ascende na carreira, fazendo cada vez mais sucesso e mostrando ao mundo o poder de sua voz.

A carreira de Elis foi marcada por diversos conflitos e sua cinebiografia aborda diversos deles. Como por exemplo a postura da cantora durante a ditadura militar. Após ter dado uma entrevista em Paris falando mal da ditadura, Elis é ameaçada e precisa cantar para os militares que tanto torturavam as pessoas por pouco. O público não ficou satisfeito com isso e as críticas à Elis foram tremendas e sua ruína parecia próxima.

Contudo, a cantora mostrou fibra e raça e foi reconquistando seus adoradores, mostrando ao mundo outra vez sua real essência. Elis cantou inúmeros sucessos durante sua vida e estava no auge de sua carreira quando faleceu precocemente, aos 36 anos, de uma overdose de cocaína. Obviamente, o filme se encerra com a morte da cantora, que ainda mexe com o coração dos brasileiros, devido à perda dessa tão talentosa artista.

Eu, particularmente, conhecia uma música ou outra de Elis Regina. Ela faleceu em 1982, quinze anos antes de eu nascer. Porém, quando vi o trailer deste filme, senti que precisava assisti-lo para conhecer um pouco mais sobre a cantora. E o que posso dizer é que saí da sessão completamente arrepiado, louco pra saber ainda mais sobre toda trajetória de Elis.

Andréia Horta está simplesmente maravilhosa no papel de Elis. A atriz, além de ser muito parecida com a cantora, conseguiu pegar todos os trejeitos dela. Ao chegar em casa, assisti alguns vídeos de apresentações de Elis e pude comparar com o que vi no filme. Andréia está perfeita e fiquei de queixo caído quanto a isso.

Além disso, Horta roubou toda a cena. Sim, ela é a protagonista e é bastante óbvio que ela será o centro das atenções, mas a atriz levou isso a um novo patamar. Pode-se dizer que o brilhantismo da atriz foi quem carregou o filme e ela ofuscou todos os coadjuvantes, mesmo aqueles com mais destaque.

A única coisa que me incomodou foi a montagem do filme. É difícil contar a vida de alguém tão importante em duas horas, mas senti que faltou muita informação. O filme tem uma passagem de 18 anos e você mal percebe isso. Com exceção das mudanças de figurino e cortes de cabelo de Elis, é possível acreditar que se passaram no máximo quatro ou cinco anos. O roteiro quis focar demais nas partes mais importantes da carreira da cantora e esqueceu que alguns detalhes são relevantes para que essas partes façam sentido.

No contexto geral, Elis é um excelente filme, que vai divertir e emocionar até o espectador mais exigente. Sendo Elis Regina quem é, não posso deixar de pedir que todos corram para a sala de cinema mais próxima e conheçam mais sobre a vida dessa mulher tão maravilhosa que nos deu seu amor pela música. Vale muito a pena!

Beijos e até a próxima!
***
Esta postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
CLIQUE AQUI e saiba como participar!

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.