sobre livros e a vida

13/10/2017

Tá Na Estante :: ‘Ecos’ #702

E aí, pessoal! Tudo bem?

Hoje eu vim falar um pouco sobre Ecos, livro da autora norte-americana Pam Muñoz Ryan e publicado aqui no Brasil pela DarkSide Books.

Livro: Ecos
Autor: Pam Muñoz Ryan
Editora: DarkSide Books
Páginas: 368
Sinopse: Ecos, da premiada escritora norte-americana Pam Muñoz Ryan, é uma fábula como há muito não se via – ou se ouvia. Um conto de fadas dark, que resgata o melhor da tradição dos irmãos Grimm, combinado com delicados momentos do século XX, como as duas grandes guerras e a Depressão econômica que assolou os Estados Unidos nos anos 1930. O resultado é uma fantasia histórica repleta de perigos e beleza, emoldurada pelo poder da música. A aventura começa cinquenta anos antes da Primeira Guerra Mundial — “a guerra para acabar com todas as guerras” —, quando o pequeno Otto se perde na Floresta Negra e encontra as três irmãs encantadas, prisioneiras de uma velha bruxa, que conhecia apenas das páginas de um livro, e acreditava ser apenas uma lenda. Como em um passe de mágica, as irmãs ajudam o garoto a encontrar o caminho de casa. E Otto promete libertá-las, levando o espírito das três dentro de uma inusitada gaita de boca. Ao longo dos anos, o instrumento chega à mão de novos donos: um menino que vê o sonho de se tornar músico interrompido pela ascensão do nazismo; um jovem pianista prodígio que vive num orfanato e luta para não ser separado do irmão caçula; uma filha de imigrantes mexicanos que cuidam de uma casa de japoneses enviados a um campo de concentração dentro dos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial. Personagens com dramas diferentes, mas um amor transformador pela música. Cada um à sua maneira, eles são afetados pela magia das três irmãs. Assim como os leitores do livro em todos os países em que ECOS foi lançado. Prepare-se para também ser arrebatado e enfeitiçado por essa fábula harmônica.

Sabe quando você começa a ler um livro ou assistir a um filme sem saber nada sobre ele e no fim percebe que essa foi a melhor coisa que você poderia ter feito? Foi exatamente isso que aconteceu comigo durante a leitura de Ecos.

O livro se inicía 5 décadas antes da Primeira Guerra Mundial, quando o garoto Otto, que estava brincando com seus amigos em uma plantação de pêra, se perde ao tentar se esconder na escura floresta que ficava logo ao lado. Decidido a ser o garoto a ficar mais tempo escondido, Otto senta-se ali mesmo no meio da ‘floresta proibida’ para ler um livro que havia comprado das mãos de uma cigana naquela mesma manhã. Não foi possível resistir à compra, o livro trazia seu nome no título, custou apenas 1 centavo e ainda vinha acompanhado de um gaita de boca.

A Décima Terceira Gaita de Otto Mensageiro‘ contava a história de três irmãs. Três princesas que foram levadas para a floresta a pedido de seu pai, um rei que ansiava por um filho homem para que um dia pudesse herdar o seu trono. Abandonadas por seu próprio pai e esquecidas por todo o reino, as três irmãs viviam sob os cuidados de uma bruxa egoísta e preguiçosa que vivia na floresta.

Otto havia ficado tão interessado na história das princesas que acabara se esquecendo completamente da brincadeira com seus amigos. Ao perceber que a floresta havia se tornado fria e cheia de vento, o garoto decide então dar uma pausa na leitura e voltar a plantação de pêra para reencontrar seus amigos. Porém ao sair um pouco de seu trajeto para recuperar seu chapéu que havia sido retirado de sua cabeça por uma rajada de vento, Otto não consegue encontrar o caminho de volta e fica a vagar por horas na escura floresta.

Cansado, em pânico e já sem esperanças de encontrar seu caminho de volta, Otto encontra três garotas usando vestidos esfarrapados e que carregavam os mesmos nomes das princesas do livro que Otto estava lendo. Mesmo achando tudo aquilo um tanto estranho, o garoto se sentiu mais protegido na presença das garotas e decidiu continuar lendo, agora em voz alta, a história das princesas.

Horas (ou minutos) se passaram e Otto finalmente terminou a história, o problema é que nessa história não havia um fim. O garoto agora sabia que as princesas estavam presas na floresta devido a uma maldição lançada pela bruxa. Para ajudá-las, Otto precisará voltar para casa e passar a gaita adiante para dar início a uma jornada que salvará uma alma à beira da morte.

Essa gaita mágica será o elo entre 3 histórias distintas mas que possuem um personagem em comum: a música.

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!

Como eu já disse logo alí no início, eu peguei Ecos para ler sem saber muito sobre a história. Sabia que em algum momento teria algo relacionado a guerra e que a música tinha um grande papel na história.

Comecei o livro indo para a faculdade e li o ‘prólogo’ enquanto esperava o metrô para dar início a minha longa jornada diária rumo ao outro lado do DF. Antes mesmo do metrô chegar na estação eu já havia concluído o prólogo e iniciado a primeira parte do livro. Chegando na faculdade eu já havia acabado a primeira parte e estava louco para iniciar a segunda e ver o que aconteceria com Friedrich, o personagem que rapidamente já tinha encontrado o seu lugar no meu coração.

Imaginem a minha surpresa quando descobri que a minha jornada com o garoto havia acabado ali? Quis parar de ler o livro imediatamete pois tinha certeza que a partir dali o livro iria ladeira abaixo pois nenhum outra história conseguiria me conquista como a primeira. Estava certo até certo ponto. Realmente nenhuma das outras história me conquistou como a primeira, mas posso garantir que a qualidade do livro continuou no mesmo nível até a última página.

Poss garantir que a Pam Muñoz Ryan me surpreendeu da melhor maneira possível. Esse foi o primeiro livro da autora que eu tive a oportunidade de ler e ao finalizar eu já estava pronto para mandar e-mail para todas as editoras pedindo para que eles fossem atrás dos outros livros dela e trouxessem para o Brasil o mais rápido possível.

Como já sabia que o livro tinha um pézinho em um cenário assolado por guerras, eu comecei a leitura esperando uma leitura mais densa e até mesmo arrastada em certos momentos e mais uma vez me surpreendi. A autora faz uso de ma narrativa tão leve e flúida que você nem consegue ver os capítulos passando. Quando perceber já vai ter acabado o livro.

Por trazer várias histórias diferentes, eu posso te garantir que em algum momento da leitura você vai encontrar aquele personagem que vai se agarrar ao seu coração e fazer você desejar mais umas 500 páginas só sobre a história dele.

Visualmente falando a editora realmente se superou. Confesso que solicitei um exemplar simplesmente pelo ‘objeto’ que mesmo que não fosse bom serviria como uma linda decoração para o meu quarto. O livro tem uma capa azul/roxa fosca com verniz localizado nos detalhes em branco, preto e laranja. As páginas, sendo algumas delas pretas, são decoradas com uma linda diagramação de padrões florais e possuem o corte em um laranja bem forte. A fonte, margens e espaçamento seguem o padrão adotado pela editora em seus outros títulos.

Ecos é um livro que nos lembra o motivo de termos nos apaixonado pela literatura e é com certeza uma leitura indicada para todos aqueles que buscam uma história repleta de emoção e música.

Abraços e até qualquer hora!
***
Esta postagem é válida para o COMENTÁRIO PREMIADO.
Clique AQUI para saber como participar.

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.