sobre livros e a vida

14/03/2018

É Assim que Acaba, de Colleen Hoover

Cruel, brutal, reflexivo e extremaste doloroso, esses seriam adjetivos perfeitos para definir a obra de Collen Hoover, porém a medida que nos machuca conhecer mais a fundo essa história, também me arrisco a dizer que É assim que acaba também é uma história apaixonante e que precisa ser lida e entendida por todas as mulheres.

Lily Bloom é uma jovem de 23 anos que saiu da cidadezinha onde vivia com os pais para estudar em Boston e correr atrás de seu sonho, ela quer abrir seu próprio negócio e quem sabe um dia ser dona de uma grande floricultura.

A princípio Lily tinha tudo para ser uma moça comum, com dramas naturais para alguém de sua idade. Porém a medida que conhecemos mais das camadas profundas dessa protagonista, mais nos perguntamos onde a autora irá nos levar.

Lily cresceu em um lar marcado pela violência doméstica, por esse motivo ela não consegue perdoar o pai e se pergunta como um homem tão amoroso poderia se transformar em alguém tão cruel a ponto de agredir física e emocionalmente sua esposa. E o pior, qual o motivo de sua mãe aceitar passar por essa situação por longos anos? Qual seria o motivo para qualquer mulher viver uma vida tão triste? Medo? Vergonha? Amor? Por acompanhar tão de perto o padrão distorcido do amor dos pais, Lily cresceu com a promessa de que jamais aceitaria uma vida como aquela, ela não seria como a mãe, nunca.

Mesmo longe de casa e de todas as lembranças de sua infância, Lily não consegue esquecer os traumas do passado, e muito menos a lembrança de Atlas, o primeiro rapaz que capturou seu coração e a ensinou o verdadeiro sentido da palavra amor. Com a esperança de superar esse passado, Lily começa a reler trechos importantes de seus diários da adolescência, onde ela retrata o momento onde se apaixonou por Atlas e tudo o que viveram juntos.

Em uma noite difícil, Lily conhece Ryle Kincaid, um neurocirurgião que também está enfrentando alguns problemas específicos, momento em que eles decidem abrir o coração e expor suas feridas de forma honesta. Era para ser somente uma noite com verdades nuas e cruas entre dois estranhos que nunca mais irão se encontram, no entanto eles se encontram outras vezes e uma faísca começa a se acender entre esse casal.

– Sinto que todo mundo finge ser quem é, que, no fundo, somos todos igualmente ferrados. Alguns apenas escondem isso melhor que os outros.

A medida que Lily se apaixona por Ryle, o leitor também se encanta pelo personagem e pela ideia de vê-los juntos, afinal eles são perfeitos um para o outro. Ryle é lindo, carinhoso, atencioso, um verdadeiro sonho para qualquer mulher, mas como nem tudo é perfeito, Ryle é marcado por um passado conturbado e seu comportamento começa a ser alterado a medida que a intimidade entre o casal acontece. A princípio o relacionamento é um verdadeiro conto de fadas, mas com o tempo e o ressurgimento de Atlas, algumas certezas começam a se abalar, colocando em dúvida o futuro de nossa protagonista que se vê em uma situação um tanto conturbada.

[…] Ninguém é exclusivamente ruim ou exclusivamente bom. Algumas pessoas só precisam se esforçar mais para suprimir o lado ruim.

O que fazer quando apenas “amor” não é o suficiente para manter um relacionamento sadio e verdadeiro? Quando o seu coração grita por uma decisão, mas a razão te leva a acreditar que o caminho é completamente diferente? E que aceitar e se conformar vão contra todos os seus princípios morais e ideais de vida? Difícil não é mesmo?

Ciclos existem porque é doloroso acabar com eles. Interromper um padrão familiar é algo que requer uma quantidade astronômica de sofrimento e de coragem. Às vezes, parece mais fácil simplesmente continuar os mesmos círculos familiares em vez de enfrentar o medo de saltar e talvez não fazer uma boa aterrissagem

Humano, real e angustiante, É assim que acaba permite ao leitor se colocar no papel da personagem e sentir na pele a situação na qual está inserida. E assim como Lily, nos apaixonamos, choramos e tentamos a todo custo justificar o que não pode ser justificado. E é difícil acreditar que mesmo no último momento eu ainda me via tentando de algum modo ver a situação com “bons olhos” quando na verdade não existia nada bom para se ver. Me vi tão vítima quanto ela e me perguntei qual seria minha reação se um dia me visse em situação parecida.

No entanto quando Lily toma sua decisão, nos fazendo derramar mais lágrimas de tristeza e orgulho, minha única esperança é que esse livro alcance mulheres do mundo inteiro, que necessitam dar a volta por cima ou simplesmente aconselhar uma amiga em igual situação. Por isso vai aqui meu apelo: leiam e indiquem esse livro sempre que puderem e não deixem de ler a nota da autora com lencinhos à mão, tenho certeza que também terminarão esse livro com o coração despedaçado, mas com a mente aberta.

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.