sobre livros e a vida

24/11/2020

A Verdade Segundo Ginny Moon, de Benjamin Ludwig

Ginny Moon tem catorze anos e vive na casa azul com seus Pais Para Sempre, sua família adotiva. Quando tinha apenas nove anos, a menina foi retirada da guarda de sua mãe biológica, Gloria, após uma denúncia de maus tratos. Após passar por alguns lares temporários, ela finalmente encontrou em Brian e Maura uma família, mas ainda há algo a impedindo de seguir em frente.

Um novo membro está chegando para completar a família e tudo que os pais de Ginny desejam é que a garota, que é autista, se adapte a esta mudança. Eles contam com uma rede de apoio, mas Ginny não parece muito disposta a cooperar. Ela só consegue falar sobre sua Boneca Bebê e como alguém precisa pegá-la com Gloria.

Depois da adoção de Ginny, seus pais ficaram super protetores, com medo de que Gloria voltasse e tentasse entrar em contato com a menina. Sendo assim, Ginny foi privada de ter um celular ou acessar a internet, algo corriqueiro para alguém da sua idade. Mas a menina é mais esperta do que eles pensam e, com a ajuda de um colega da escola, finalmente consegue encontrar sua mãe biológica.

É claro que Ginny ama seus Pais para Sempre é quer ser feliz com eles na casa azul, mas ela precisa salvar sua Boneca Bebê e fará de tudo para isso, mesmo que tenha que voltar a viver sob o mesmo teto de Gloria e sofrer com seus abusos. Mas será que a menina conseguirá atingir seu objetivo?

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler.

***

Devo começar essa resenha dizendo que A Verdade Segundo Ginny Moon é um livro completamente diferente do meu estilo de leitura, fugindo um pouco da minha zona de conforto. Porém, com uma sinopse instigante e uma capa lindíssima, o livro acabou me atraindo e decidi dar uma chance.

A escrita de Benjamin Ludwig é leve, fluida e muito envolvente. O livro é narrado em primeira pessoa, pela perspectiva de Ginny, e amei o modo como o autor construiu isso. Por ser autista, Ginny tem uma forma diferente de ver o mundo e ela coloca isso em suas palavras. Acredito que para alguns pode ser um pouco confuso no início, mas garanto que não será sempre assim.

Eu já li muitos artigos e notícias sobre o autismo. É um tema que ainda causa certa ignorância nas pessoas e por isso eu busco saber mais sobre. A mente de um autista não funciona da mesma forma que a daquele que não sofre dessa condição, tendo pensamentos que não seguem uma linearidade. Gostei como Ludwig trouxe isso para a narrativa, sem ser algo que force estereótipos ou gere preconceito, mesmo que alguns personagens não pareçam preparados para lidar com o autismo.

Ginny é uma menina fantástica. Ela é corajosa e muito inteligente, apesar de ingênua, mas isso não é demérito algum. Ela quer apenas encontrar seu lugar no mundo e entender o porquê de ter sido tão maltratada justamente pela pessoa que mais devia lhe dar amor. Sua determinação para com a Boneca Bebê é cativante e eu ficava aflito quando seus pais e sua psicóloga não davam atenção para sua obsessão neste assunto.

A Verdade Segundo Ginny Moon é um livro leve, envolvente e necessário, que vai falar não só sobre o autismo, mas sobre a importância da família e do afeto. É um livro sensível, com uma narrativa fluida e personagens cativantes. Deixo aqui minha recomendação a todos, vale muito a pena.

Ei, eu sou a Barb, tenho 27 anos, sou baiana, estudei Letras e compartilho conteúdo desde 2010 na internet. Por aqui, escrevo sobre tudo que faz meu coração bater mais forte.

Se inscreva no meu canal do youtube

Além do meu amor pela leitura e pelas histórias de romance, eu compartilho vlogs sobre a minha rotina e trabalho, mostrando como é a vida de uma baiana morando em Madrid, na Espanha.

Ei, inscritos no Telegram

Faça parte do nosso grupo aberto e gratuito no Telegram. Lá os inscritos recebem novidades, conteúdos exclusivos, além de um podcast semanal (em áudio) sobre o que se passa na mente da criadora de conteúdo.

Telegram

Quer receber minha newsletter?

Vamos conversar mais de pertinho? Enviamos conteúdos semanais sobre assuntos mais intimistas: reflexões sobre a vida e situações cotidianas.